Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 14 Julho 2019 15:22 Última modificação em Segunda, 29 Julho 2019 11:28

ONU: poder supranacional?

Avalie este item
(1 Voto)
/ Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Diário Liberdade

Por María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires

O estágio intermediário entre guerra e paz, articulado juridicamente e institucionalizado na base do Pacto Briand-Kellogg e da Sociedade de Nações, deu origem à ONU. Isto converteu a paz numa ficção jurídica, pois, na prática, impuseram sua vontade e quebraram os demais estados com meios militares e extramilitares (coação econômica). Tudo isto no marco de um direito comum global e de certo padrão constitucional comum, minando assim a soberania dos Estados-Nação

Nasce a ONU: centro supranacional real de transferência do direito soberano dos países a um “parlamento global” e suporte da soberania imperial, cúmplice da guerra mais aterradora que se realiza em nome da paz, da opressão mais terrível aplicada em nome da liberdade e da inumanidade mais atroz, levada a cabo somente em nome da humanidade (Schmitt).

Trata-se da máxima expressão da constitucionalização de um poder superestatal conhecido como justiça transnacional ou delegativa. Com esta, a soberania cede frente à validez desse direito que se impõe acima do Estado-Nação, no mais puro estilo Hobbesiano. Único meio capaz de superar a anarquia que, segundo eles, necessariamente produzem os Estados Soberanos.

Essa contradição entre justiça transnacional e soberania plena foi superada pela Constituição Venezuelana no artigo 23. A ONU não nos dará lições de direitos humanos, menos ainda no marco de nosso Estado Social e de Justiça, o qual não agride nem exerce domínio despótico sobre os cidadãos, senão o contrário. O nosso é um Estado, consubstanciado, potenciador e constituinte, não petrificado, mas vivo, com uma democracia participativa e protagonista em pleno desenvolvimento.

Hoje, o plano ONU é tutelar (monitorar) a Venezuela desde uma proposta mista, com tratados, convênios e normativas que convertam nossa soberania em farrapos, buscando neutralidade e pacificação para

nos desgeopolitizar e nos dessoberanizar. Tratados que convalidam as causas da pilhagem e da violência imposta pela corporatocracia mundial que cresce e que é protegida por essa dita instância multinacional.

Desde a ONU, a corporatocracia pretende mover o centro de gravidade político e soberano do Estado-Nação para nos aplicar uma paz perpétua despolitizante. O Estado Soberano deve fazer frente a essa minimalização e neutralização que busca o cesse da luta emancipatória.

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar