Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 19 Outubro 2019 23:31 Última modificação em Segunda, 11 Novembro 2019 02:28

A luta revolucionária na Venezuela

Avalie este item
(0 votos)
País: Venezuela / Batalha de ideias / Fonte: PCB

[Óscar Figuera] Quando era um jovem metalúrgico de 17 anos no estado de Aragua, ele começou a atuar no movimento sindical, através da Central Única dos Trabalhadores Venezuelanos (CUTV, a central do PCV).

Em 1986, tornou-se Secretário Geral da CUTV. Figuera foi eleito para a Assembleia Nacional da Venezuela, para o período de 2016 a 2020. Nesta entrevista exclusiva ao Venezuelanalysis.com, Figuera apresenta a proposta de seu partido de como a Venezuela deve fazer para sair da crise econômica e social.

Como você analisa a situação da classe trabalhadora venezuelana e do povoado em geral? Na sua opinião, quais são as raízes da crise?

Oscar: Para nós, é importante começar caracterizando a sociedade venezuelana. Para o Partido Comunista, o que entrou em uma grave crise na Venezuela é o modo de produção capitalista e dependente, caracterizado por um modelo rentável de acumulação: encontramos as raízes da crise catastrófica que estamos enfrentando nesse modelo.

Devemos acrescentar que estamos pagando as consequências de erros recentes: o modelo de acumulação não foi transformado durante o Processo Bolivariano. Não foi transformado com o presidente Chávez e muito menos agora, durante a presidência de Nicolas Maduro. Isso, por sua vez, nos leva a outra questão: por que o PCV considera que a Venezuela, desde a chegada de Chávez ao poder, está em processo de libertação nacional? Para isso, diríamos que consideramos que o programa de Chávez trouxe um dos elementos-chave para romper com a dependência e construir um novo sistema latino-americano e caribenho: um esforço organizado para construir um bloco unido dos povos de nosso continente.

Esta é uma linha de trabalho que historicamente promovemos e que é, na nossa perspectiva, fundamental, se quisermos avançar para romper com o domínio imperialista e a longa dependência de nossa região. Adotamos o projeto apresentado pelo presidente Chávez de uma perspectiva tática e estratégica. Na verdade, chegamos ao ponto de dizer que, do nosso ponto de vista (e dissemos isso quando o presidente Chávez fez a proposta), o desenvolvimento [econômico] da Venezuela não é maduro o suficiente para avançar em direção ao socialismo.

Entendemos que, quando Chávez começou a falar em socialismo, seu chamado se encaixava em um cenário político específico, mas não correspondia ao desenvolvimento das forças produtivas do país (o que geralmente chamamos de condições objetivas), nem às condições subjetivas do povo venezuelano. Então, novamente, estamos onde estamos, porque existe uma profunda crise do modelo rentista capitalista e dependente que não foi transformado nos mais de vinte anos do Processo Bolivariano.

Outra chave para entender nosso apoio a Hugo Chávez é a questão de soberania do petróleo. Com Chávez, o Estado venezuelano conseguiu controlar a principal fonte de riqueza do país: o petróleo. Antes de Chávez, noventa por cento dos lucros do petróleo eram expropriados por grandes transnacionais. Com Chávez, parte da receita do petróleo, que tem sido a espinha dorsal da economia da Venezuela nos últimos cem anos, foi colocada a serviço de atender às necessidades sociais, culturais e políticas do povo.

Entretanto, a Venezuela não avançou em outros aspectos essenciais para a construção de uma nação soberana, como o desenvolvimento de forças produtivas. Chávez iniciou uma politização das camadas populares, que se engajaram ativamente. A era de Chávez politizou o povo venezuelano e essa é, em parte, uma das chaves para a resiliência de nosso povo hoje. Com Chávez, houve um salto importante no entendimento de que o imperialismo dos EUA, seus aliados europeus e as forças oligárquicas nacionais alinhadas ao capital internacional são nossos inimigos fundamentais.

Como o PCV analisa a direção do governo bolivariano nos últimos anos? Alguns comemoram a liderança de Nicolas Maduro – ele derrotou golpes de Estado, venceu eleições e resistiu ao ataque do imperialismo -, enquanto outros criticam suas soluções pró-capitalistas para a crise: privatizações, cortes nos gastos sociais, eliminação dos direitos dos trabalhadores etc.

Oscar: Desde o início de 2019, como resultado da XII Plenária do PCV, nossa posição é de que as políticas adotadas pelo governo de Maduro são liberais, e isso significa que o peso da crise é suportado pelos mais pobres. Isso foi ratificado em nossa XIV Plenária há apenas alguns meses. Como mencionei antes, na raiz da crise está o modelo de acumulação – combinado com a agressão imperialista. Mas acreditamos que as políticas [econômicas] liberais não vão nos tirar da crise.

Dentro do partido, há um debate em andamento sobre a caracterização precisa da tendência econômica do governo. É neoliberal? A resposta ainda está pendente, mas acreditamos que as medidas implementadas privilegiam o investimento capitalista, nacional e particularmente estrangeiro. Nesse sentido, testemunhamos uma desregularização na esfera do trabalho e uma queda espetacular no preço da força de trabalho, demissões em larga escala, reformas, etc.

Tudo isso é feito, como mencionei, com um objetivo: incentivar investimento. Isso, no entanto, não acontecerá por uma razão muito simples: o investimento estrangeiro só chega à Venezuela quando o preço do petróleo é alto e vem aqui com o único objetivo de lucrar diretamente com a riqueza gerada pelas vendas de petróleo. Os capitalistas nunca desenvolveram este país, nunca investiram um centavo. E agora que os preços do petróleo estão baixos, tudo o que podemos esperar é que venham aqui para lucrar com nosso ouro, coltan e outros minerais estratégicos encontrados em nosso território.

Então, em vez de liberalizar [a economia] e na busca de investimento estrangeiro, que não acontecerá, o governo de Maduro deve se concentrar em atender às necessidades das pessoas com programas sociais, enquanto procura uma saída revolucionária para a crise do modelo rentista capitalista. Estamos contra a rota da conciliação de classes, que privilegia e dá vantagens ao investimento estrangeiro.

Tudo isso é particularmente problemático quando esse caminho é envolvido em um discurso socialista que não tem conexão com a realidade ... Acreditamos que esse discurso socialista confunde as massas porque distorce nossa realidade. Tragicamente, muitos estão rejeitando o socialismo porque identificam o que está acontecendo agora com o projeto, e outros entendem que o socialismo exige um grande nível de sacrifício.

Certamente, é verdade que o socialismo exige sacrifício. O socialismo exige muito sacrifício porque confronta as forças do capital, mas o socialismo não é apenas isso, é também e sobretudo a construção de algo novo, e essa perspectiva não é encontrada em nenhum lugar no presente. Além de atender às necessidades urgentes das pessoas, algo que o governo deve fazer, também defendemos a centralidade da classe trabalhadora e o papel dos camponeses e das comunas na solução da crise. Devemos tentar sair da crise atual junto com o capital transnacional? Devemos deixar a perspectiva burocrática prevalecer? Ou o caminho da crise atual está nas mãos de quem produz com suas mãos?

Agora, poderíamos perguntar, dadas as nossas condições, não é necessário buscar alianças com setores de capital? Sim. Nós não somos inflexíveis. Entendemos que o Estado não tem recursos para alavancar a produção, portanto, algumas concessões devem ser feitas. A Venezuela precisa procurar aliados, mas buscar alianças com transnacionais não é o caminho a seguir. Elas não trarão investimentos e buscarão atender interesses estrangeiros. Em vez disso, a Venezuela deve buscar investimentos de setores que aceitam que temos um processo de libertação nacional e que a construção de um modelo autônomo e independente é um dos nossos principais objetivos.

De qualquer forma, o papel da classe trabalhadora, o papel dos camponeses, o papel das comunidades populares deve ser posto em prática, não apenas em termos discursivos, mas com participação real no processo de recuperação do aparato produtivo. É por isso que temos que construir uma ampla aliança anti-imperialista, com todos os setores, incluindo o governo do presidente Nicolas Maduro. Todos aqueles comprometidos com a mudança social devem ser integrados, incluindo o setor capitalista patriótico.

Afinal, estamos no meio de uma disputa inter-imperialista entre potências mundiais. Esse confronto está, na verdade, no centro da agressão contra a Venezuela. As potências mundiais não querem que façamos alianças com a China, Rússia e Índia, porque essas alianças são fundamentais para romper com a nossa situação dependente.Temos de nos mover na direção dessas alianças e, em paralelo, construir a unidade dos países da América Latina e do Caribe, que é o único meio de enfraquecer as correntes do imperialismo.

Recentemente, houve um diálogo entre o governo e alguns setores da oposição. Essas conversas ocorreram sem a participação de nenhuma organização chavista, exceto o PSUV. Além disso, e de acordo com as declarações do próprio partido, o PSUV violou o Acordo de Unidade PSUV-PCV para enfrentar a crise do capitalismo venezuelano (26 de fevereiro de 2018), que serviu de base para o apoio do PCV à candidatura de Nicolas Maduro em 2018. Você considera que o PSUV é capaz de ouvir o movimento popular e a esquerda chavista?

Oscar: O PSUV não está ouvindo as diversas vozes, que incluem outras forças patrióticas e revolucionárias. Há uma razão simples para isso: para nós da esquerda, é muito difícil nos separar da aliança com o governo e o PSUV, porque temos um inimigo em comum – nosso principal inimigo – que é o imperialismo dos EUA, aliados europeus e a direita interna. Dado esse fato, o governo e o PSUV acham que não precisam discutir nada conosco. Eles agem unilateralmente. É um erro grave, pois a construção se beneficia da participação coletiva. A classe trabalhadora, os camponeses e as comunas populares, todos temos análises e propostas que podem ajudar a tirar a Venezuela da crise.

Pode ser que o governo ou o PSUV não compartilhe as opiniões ou propostas que vêm do campo popular. Dentro do PSUV existem diferentes correntes ideológicas, incluindo social-democratas, social-cristãos e até liberais. No entanto, a liderança política deve entender que estamos em uma aliança diversa (“unidade dentro da diversidade”), e isso requer espaços de construção coletiva. Além disso, as contradições que surgem não devem ser entendidas como um problema. Muito pelo contrário, a contradição pode ser construtiva. O problema não é que possa haver contradições dentro do movimento; o problema é como lidamos com elas! Se as contradições são mal tratadas podem produzir rupturas e, em um momento como o nosso, as fraturas enfraquecem nosso projeto coletivo. Como o PSUV sabe que nós não nos aliaremos à direita e ao imperialismo, fecha espaços para a construção comum. Age de maneira arrogante que (mesmo que não leve à ruptura) produz confrontos. É o que está acontecendo agora.

Em nossa mais recente sessão plenária, desenvolvemos o slogan “confrontar, separar e acumular forças para avançar em direção à construção da força da classe trabalhadora, camponesa, comunal e popular”. A ideia é avançar em direção a uma ampla aliança anti-imperialista para enfrentar e derrotar a agressão externa e, ao mesmo tempo, confrontar correntes reformistas e submissas internas que, com um falso discurso revolucionário, estão desenvolvendo alianças que vão contra o processo de libertação nacional e cuja perspectiva é o oposto da socialista.

E qual é a abordagem do PCV para os diálogos recentes?

Oscar: Os diálogos mais recentes levaram a um acordo com um setor da oposição. Acreditamos que [a ideia de dialogar] estava correta, e esses diálogos são importantes porque mostram ao mundo que a oposição de extrema direita não é a única em nosso país. No entanto, esse acordo foi construído sem a participação de outros setores [do Chavismo]. Isso levou a uma situação na qual não é fácil de navegar.

Um dos acordos foi de que representantes do Polo Patriótico seriam incorporados à Assembleia Nacional. No entanto, o Partido Comunista decidiu não se incorporar a esse órgão. [Nossas razões são:] primeiro, que não nos foi dada uma explicação sobre qual seria a tática naquele espaço e, segundo, que a Assembleia Nacional continua desprezando [a lei] e é a ferramenta chave da agressão imperialista em nosso país. A Assembleia Nacional é um órgão que não reconhece outros poderes públicos, incluindo a presidência de Maduro, e nossa participação ali levaria a criar mais confusão no meio do povo. Nossa presença legitimaria uma ferramenta que está a serviço da conspiração contrarrevolucionária.

Diante desse dilema, decidimos não nos incorporar à Assembleia Nacional, embora isto ainda esteja em discussão e será debatido em breve na XV Plenária [sessão do nosso partido]. Francamente, entendemos que a Assembleia Nacional Constituinte deveria ter tomado uma ação contundente quando Juan Guaidó, que é o presidente da Assembleia Nacional, se proclamou presidente. A Assembleia Nacional faz parte de uma conspiração e deve ser dissolvida. Agora, se o PSUV nos explicar que existe um caminho para superar o caráter conspirador da Assembleia Nacional, podemos reincorporar-nos ao espaço, seguindo um debate interno.

Houve novas formas de protesto nos últimos anos: protestos que não buscam mudanças de regime, mas soluções para demandas concretas diante de sérios problemas. Eles variam de pessoas que protestam por gás e água a camponeses que exigem justiça e proteção frente aos proprietários de terras. Como você entende esse novo fenômeno?

Oscar: Emanando do movimento popular e patriótico e dos setores comprometidos com a transformação da sociedade venezuelana, há uma tendência crescente de organizar protestos legítimos. Esses protestos não vêm mais da direita, mas do movimento revolucionário popular, da força que passou a ser conhecida como Chavismo. Eles apresentam demandas, mas também propostas que têm a ver com políticas trabalhistas, políticas agrárias e camponesas, e assim por diante. Esses protestos compartilham uma preocupação: o curso do processo bolivariano e as condições de vida do povo.

O Partido Comunista acredita que é importante reunir queixas legítimas, criar uma frente nacional que se mantenha firme diante do imperialismo, mas também enfrentará a promoção de políticas liberais pelo governo. Esse é o nosso objetivo na promoção da Frente Nacional de Luta da Classe Trabalhadora. Esta frente não é um apêndice do Partido Comunista. Nós somos apenas um fator dentro dele. Existem setores trotskistas lá, e existem setores das bases do PSUV. Na verdade, são a maioria. Também estamos promovendo o trabalho da Corrente Campesina Classista Nicomedes Abreu, tentando trabalhar com diversos atores comunitários, entre eles a Comuna El Maizal e outras comunas que têm um trabalho verdadeiramente importante, mas que não estão sob a liderança do PCV. Acreditamos que precisamos nos unir em um bloco com essas organizações comunitárias, porque são instâncias de governo autônomo que questionam a concepção burocrática do poder.

Finalmente, diante das agressões imperialistas e do desvio do governo em direção ao “reformismo” ou mesmo à posição “liberal”, qual é o papel da solidariedade internacionalista com o Processo Bolivariano?

Oscar: O Partido Comunista tem uma linha de trabalho para promover a solidariedade e fazemos isso com uma apresentação completa do que está acontecendo aqui quando viajamos para o exterior. Às forças de esquerda, aos partidos comunistas e outras organizações não escondemos as contradições que estamos enfrentando – as complexidades do processo e as tendências que se confrontam -, mas sempre deixamos claro que nosso principal inimigo é o imperialismo. Lutamos dentro do processo, mas, quando confrontados com o imperialismo, somos unificados e disciplinados.

Assim, explicamos [as complexidades do que está acontecendo lá dentro], mas também exigimos solidariedade. Se o imperialismo dos EUA, seus aliados europeus e a direita continental colocarem suas mãos na Venezuela, a situação será semelhante à do final da década de 1980, com a queda da União Soviética e do Bloco do Leste Europeu. Este foi um duro golpe para as forças revolucionárias em todo o mundo. Embora os problemas que enfrentamos aqui sejam enormes, a Venezuela continua a ser um carro-chefe na luta anti-imperialista. Precisamos de uma Venezuela que possa se firmar enquanto lutamos internamente.

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Fonte: https://venezuelanalysis.com/analysis/14687

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar