Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 09 Março 2017 20:00 Última modificação em Domingo, 12 Março 2017 00:09

Escondida: greve numa das maiores minas de cobre do mundo

Avalie este item
(0 votos)
País: Chile / Laboral/Economia

[Franck Gaudichaud] Onze anos passados sobre a luta de 2006, que teve grande repercussão, o mineiros da mina chilena «Escondida» recorrem a uma greve ilimitada. Não são só as suas reivindicações económicas e sociais próprias que ecoam. É também a questão da nacionalização e do controlo popular sobre as riquezas do país.

Desde 9 de Fevereiro passado 2.500 trabalhadores estão em greve na mina «Escondida», situada no norte de Chile.

Nas mãos de dois gigantes do sector privado, BHP Billiton e Río tinto PLC (capitais anglo-australianos), Escondida é a maior produtora de «ouro vermelho» do mundo, com a extracção de 900.000 toneladas anuais, ou seja 20 % da produção chilena (país que possui a principal reserva mundial deste mineral).

Face ao anúncio de uma greve «ilimitada», o grupo empresarial paralisou as actividades da mina, alarmando os especuladores da Bolsa de Londres. Apesar das ameaças do presidente da mina, Marcelo Castillo, e da pressão do Governo de Michèle Bachelet (socialista), os mineiros mantêm a sua posição e estabeleceram um piquete de greve por turnos e um acampamento no exterior da mina (a 3.100 metros de altitude em pleno deserto de Atacama), depois de terem reunido um importante fundo de apoio solidário. O ministro da Economia, Rodrigo Valdés, não tardou em denunciar esta luta e dar razão às transnacionais: «esta greve poderia afectar mais gravemente o Produto Interno Bruto do que os incêndios florestais – os mais graves da historia do Chile - que assolaram o país em finais de Janeiro».

Foi depois da ruptura das negociações colectivas e face à intransigência da empresa que o principal sindicato de Escondida se lançou à greve com a reivindicação principal de uma revalorização dos salários, num quadro em que o preço do cobre conheceu um aumento de 27 % em 2016 e se prevê que continuará a subir ao mesmo ritmo até 2020, para maior lucro dos accionistas estrangeiros. «O mínimo que pedimos – reiterou o dirigente do sindicato Jaime Thenoux – é poder manter as vantagens do acordo colectivo actual», em particular para os jovens mineiros que acabam de se incorporar na força de trabalho de Escondida.

Uma posição estratégica no neoliberalismo...

A orientação das empresas mineiras nos últimos anos tem sido sempre procurar cada vez mais flexibilização laboral, enquanto milhares de empregos foram suprimidos pelos numerosos subempreiteiros. Por seu lado o sindicato número um de Escondida exige um aumento salarial de 7 % e um abono excepcional de cerca de 38.000 dólares por pessoa.

Embora seja frequente qualificar-se os mineiros como «aristocracia operária» devido aos seus altos salários em comparação com a imensa maioria do povo chileno, esses trabalhadores têm que suportar condições de trabalho extremas e perigosas. E é sobretudo a posição estratégica que ocupam na economia «primo-exportadora» neoliberal do país que dá um grande peso às suas resistências e reivindicações.

Num contexto de forte atomização do movimento sindical e operário, herdada da ditadura e de 25 anos de modelo ultraliberal (administrado em grande parte pelas forças social-liberais dos governos da Concertación), esta greve poderia indicar o caminho de futuros conflitos de classe. Sobretudo quando a Central Unitária dos Trabalhadores (CUT) continua nas mãos de uma burocracia pouco legítima e amplamente cooptada pelos partidos do Governo (entre os quais se encontra o Partido Comunista).

Nos últimos dias ronda o fantasma da grande greve de Escondida de 2006, para desgosto dos meios conservadores e da patronal. Aquele severo conflito, que durou 25 dias, fez tremer o sector mineiro mundial e contribuiu para a revitalização sindical em todo o país. No seu tempo Salvador Allende sublinhou a que ponto o cobre representa o «salário do Chile». Na actualidade estes recursos estão de novo amplamente nas mãos do capital transnacional: nestas condições os apelos à renacionalização dos recursos mineiros sob controlo democrático da população e dos assalariados ressoam com força.

Fonte: https://npa2009.org/actualite/international/chili-greve-dans-lune-des-plus-grandes-mines-de-cuivre-du-monde

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar