Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 13 Abril 2017 14:31 Última modificação em Domingo, 16 Abril 2017 16:32

Greve geral de 24 horas paralisa principais cidades da Argentina

Avalie este item
(0 votos)
País: Argentina / Laboral/Economia / Fonte: Opera Mundi

Em 6 de Abril uma greve geral paralizou as principais cidades da Argentina.

 Os trabalhadores argentinos combatem as políticas económicas de Macri. Uma inflação galopante e incontrolada (em 2016 atingiu os 41%) reduz o já fraco poder de compra da maioria dos assalariados.

Enquanto a greve dava as primeiras demonstrações de força, presidente Macri participava da abertura do Fórum Econômico Mundial para a América Latina: ‘que bom que estamos aqui trabalhando’, disse

A greve geral de 24 horas convocada nesta quinta-feira (06/04) pela Confederação Geral do Trabalho (CGT) da Argentina parou algumas das principais cidades do país, como Buenos Aires, Rosário, Córdoba, Mendoza, Mar del Plata, Santiago del Estero e Santa Fe, nas quais houve interrupção total ou redução substancial da circulação de transportes públicos, além de manifestações e bloqueios de avenidas. Um dos protestos terminou com confronto entre manifestantes e policiais.

A paralisação foi convocada para mostrar posição contrária às políticas econômicas do presidente Mauricio Macri.

Em Buenos Aires, não circularam metrô, ônibus e trens. A cidade ficou deserta, já que lojas também fecharam, e praticamente só táxis circulam pela capital argentina. O governo decretou a gratuidade dos pedágios das estradas e dos estacionamentos públicos durante o dia de greve, a fim de incentivar os trabalhadores a comparecerem em seus postos de trabalho em seus próprios veículos.

Várias das vias principais da cidade, como a avenida Corrientes, foram bloqueadas pelos manifestantes, que ameaçaram se deslocar até o entorno do hotel onde está sendo realizado o Fórum Econômico Mundial para a América Latina, com a presença de Macri.

Ainda na região, policiais dispersaram manifestantes que bloquearam a rodovia Panamericana, que dá acesso a Buenos Aires. No confronto, houve feridos e dezenas de pessoas foram presas. Os piquetes também bloquearam a autoestrada Buenos Aires-La Plata, que liga a capital federal à capital da província.

Em Rosário, ao noroeste de Buenos Aires, houve interrupção de tráfego e protestos na frente de supermercados como Makro e Carrefour, feito pelos membros do sindicato do comércio. Em Santa Fe, que fica ao norte de Rosário, a greve teve alto impacto, segundo o jornal Clarín. A coleta de lixo foi interrompida, assim como o transporte público. Poucos estabelecimentos abriram na cidade.

A companhia aérea Aerolineas Argentinas suspendeu todos os seus voos nacionais e internacionais por 24 horas.

Macri

Enquanto a greve dava as primeiras demonstrações de força, Macri participava da abertura do Fórum Econômico Mundial para a América Latina, em um hotel de Buenos Aires. Ao começar seu discurso, o presidente da Argentina foi irônico. “Que bom que estamos aqui trabalhando”, disse, de acordo com o jornal La Nación.

Ele defendeu as medidas econômicas que seu governo tem tomado. “Fica claro que o que começou há 15 meses em nosso país é muito mais profundo que uma mudança econômica. É uma mudança cultural, baseada em uma aprendizagem de anos que nos levaram por caminhos equivocados e seguramente valores que não representavam a essência dos argentinos”, afirmou.

No entanto, os índices econômicos que o país apresenta nos últimos meses não são animadores. Em fevereiro, a inflação no país atingiu 2,5%, de acordo com números divulgados pelo Indec (Instituto Nacional de Estatísticas e Censos). Em janeiro, o aumento havia sido de 1,3% e, em 12 meses, o índice já atingiu 25,4%, com crescimento de 3,5% só no primeiro bimestre do ano.

A meta do Banco Central do país é de 17% para 2017, mas analistas ouvidos pela imprensa do país já consideram difícil que ela seja atingida, tamanho o incremento nos dois primeiros meses. A título de comparação, os mercados esperam para o Brasil, neste ano, uma inflação – no acumulado dos 12 meses – em torno de 4,5%.

Em janeiro, Macri trocou o ministro da Economia, mesma época em que se anunciou que a inflação em Buenos Aires – referência para todo o país – havia atingido 41% em 2016. O mandatário havia prometido 25%, com reduções ano a ano.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar