Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 24 Abril 2018 11:55 Última modificação em Terça, 22 Mai 2018 21:17

EUA despejam milhões de dólares na Colômbia para desestabilizar a Venezuela por meio da migração

Avalie este item
(2 votos)
País: Venezuela / Migraçons / Fonte: AVN

O Brasil e a Colômbia conseguiram cerca de US$19 milhões do governo dos Estados Unidos (EUA) com a magnificação da migração e a campanha xenofóbica que realiza a gestão do presidente Juan Manuel Santos contra os venezuelanos nos últimos meses.

É o que se evidencia dos anúncios do governo estadunidense nas últimas semanas. Por exemplo, em 20 de março, a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) anunciou que vai doar US$ 2,5 milhões para "ajudar" a Colômbia supostamente para aliviar as dificuldades que gera a alta migração de cidadãos venezuelanos em seu território.

Segundo a Usaid, os fundos seriam destinados a "organizações humanitárias" e a doação tem "efeito imediato", destacou nessa oportunidade a agência Sputnik.



Um mês depois, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, após se reunir com o dirigente do partido Primeiro Justiça, Julio Borges e o fugitivo da justiça, Antonio Ledezma, em Lima, anunciou que o governo de Donald Trump, aumentará a "ajuda humanitária" para os venezuelanos que foram embora do país em US$16 milhões.

No encontro que aconteceu durante a VIII Cúpula das Américas, Pence disse que parte dos recursos irão para comunidades que acolhem migrantes na Colômbia e Brasil, destacou a Europa Press no dia 14 de abril.

Os US$ 18,5 milhões que foram anunciados até o momento, não representam nem sequer 5% do total que a Colômbia espera conseguir e que gira em torno de US$60 bilhões, como anunciou no dia 9 de fevereiro o ministro da Fazenda colombiano, Mauricio Cárdenas.

Em entrevista para a Reuters, Cárdenas informou que seu país entrou em contato com organizações internacionais para preparar um plano de resgate financeiro por US$60 bilhões para a Venezuela se o presidente constitucional, Nicolás Maduro deixar o poder. "O que ocorre quando Maduro cair? Nós não deveríamos improvisar. Deveria existir um plano, porque a Venezuela necessitará apoio financeiro".

Cárdenas, que não mencionou que a Colômbia é o primeiro país do mundo com maior número de pessoas deslocadas (tinha sete milhões até 2017), assegurou que seu governo estaria disposto a "oferecer financiamento para essa transição".

O ministro colombiano voltou a repetir esta proposta em 19 de abril, quando propôs no Fundo Monetário Internacional (FMI), um "resgate financeiro" para a Venezuela de US$60 bilhões, para a "estabilização macroeconômica", que se aplicaria quando exista um governo disposto a tomar as "políticas econômicas corretas".

Em entrevista para a EFE, durante participação na assembleia de primavera do FMI em Washington, disse que participaria de uma reunião com diversos ministros da Fazenda, entre eles o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, "para falar sobre quem poderia financiar, quem coloca o dinheiro (...) E aí se necessitará o FMI, o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento".

O chefe de Estado, Nicolás Maduro, denunciou em 15 de fevereiro que laboratórios midiáticos aumentam o número da migração venezuelana, e afirmou que o número de migrantes é muito menor que as estatísticas que tentam emplacar presidentes do grupo de "direita antivenezuelano chamado 'Grupo de Lima', que tentam apresentar aos meios de comunicação que há um êxodo em massa".

Não é a primeira vez que os EUA, através de várias organizações, destinam recursos para interfeir nos assuntos políticos do país. De fato, entre 2005-2015, a Fundação Nacional para a Democracia (NED), destinou um total de US$15.601.945 a várias Organizações Não Governamentais (ONGs) na Venezuela.

É necessário somar ainda os US$9 milhões que os Estados Unidos têm previsto no orçamento para supostamente  "promover a democracia, os direitos humanos e a liberdade" na Venezuela, de acordo com o relatório do orçamento do Departamento de Estado 2019, divulgado em fevereiro deste ano.

Estas recursos são canalizados através da Usaid, a mesma agência que já doou US$2,5 milhões para "ajudar" a Colômbia.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar