Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 16 Novembro 2016 20:03 Última modificação em Sábado, 19 Novembro 2016 01:15

Chile: continuam manifestações e greves em serviços públicos contra reajuste salarial proposto pelo governo

Avalie este item
(0 votos)
País: Chile / Laboral/Economia / Fonte: Diário Liberdade

Dez funcionários e funcionárias públicos ocuparam nesta quarta-feira (16) uma mina de carvão em Lota, na província de Concepción, para protestar contra o reajuste salarial de 3,2% proposto pelo governo chileno.

São seis homens e quatro mulheres, que trabalham nas áreas da educação e da saúde e desceram até o fundo da mina, construída na metade do século XIX e que atualmente é um museu. Três deles começaram uma greve de fome, segundo o jornal La Tercera.

Essa ação faz parte da onda de protestos do funcionalismo público chileno desencadeada há três semanas por causa do reajuste salarial anunciado pela presidenta Michelle Bachelet, que não agrada aos servidores. As diversas categorias do funcionalismo pedem um reajuste de ao menos 4%.

Nesta quarta-feira também houve outras manifestações, em Santiago, Valparaíso e Talcahuano. Na capital, mais de 2 mil médicos, dentistas e outras profissionais da saúde foram até o Palácio La Moneda entregar uma carta à mandatária pedindo que aceite suas reivindicações.

Entretanto, Bachelet declarou à imprensa local que é urgente que os serviços públicos funcionem normalmente, neste que já é o segundo dia seguido de greve. “A paralisação está afetando a vida do povo e do país”, afirmou.

A greve do funcionalismo começou a afetar o setor alimentício chileno. Bloqueios nas principais entradas do país impedem que cargas de alimentos como as carnes cheguem ao Chile, que importa 60% da carne que consome.

O governo anunciou nesta quarta que manterá a proposta de 3,2% de reajuste e que não pode oferecer mais por causa da situação econômica do país. A presidenta pediu ao Congresso para apoiar a proposta do governo e foi atendida. A Câmara baixa do Parlamento chileno aprovou o projeto do governo na parte da noite e o encaminhou para o Senado. Bachelet precisa da aprovação para que o projeto de lei de reajuste salarial de 3,2% seja apresentado.

A proposta aprovada aumenta apenas os recursos para o pagamento de bônus aos servidores públicos, mas mantém os 3,2% de aumento.

Quase 900 mil pessoas trabalham no serviço público federal e municipal do Chile. Naquele país, o salário médio de um funcionário público é 50% maior do que do setor privado.

Além dos trabalhadores e trabalhadoras das áreas da saúde e educação, em várias regiões do país os serviços de limpeza municipais também aderiram às paralisações, além de outras categorias.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar