Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Segunda, 01 Janeiro 2018 21:35 Última modificação em Domingo, 07 Janeiro 2018 19:20

2017 foi o ano mais violento contra os movimentos de luta pela terra

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Reportagens / Fonte: Causa Operária

O ano de 2017 para a luta pela terra vai se mostrar como uma verdadeira ofensiva violenta dos latifundiários, judiciário e Estado golpista contra as famílias que lutam por um pedaço de terra para trabalhar.

O que foi visto foi uma guerra civil no campo em que os números sobre ameaças de morte, assassinatos, reintegrações de posse e outros crimes cometidos pelo latifúndio vão ser os mais altos desde o fim da ditadura militar.

Isso pode ser visto nos massacres realizados durante o ano de 2017. Foram pelo menos dois massacres e uma tentativa, vitimando mais de vinte trabalhadores sem-terra, dezenas de feridos, pessoas desaparecidas e muitas sequelas resultantes de tamanha violência.

No dia 20 de abril no município de Colniza (MT), 10 trabalhadores sem-terra foram assassinados a sangue frio por pistoleiros encapuzados. A região de Colniza, Rondônia e sul do Amazonas é conhecida pela atuação de milícias privadas formadas por policiais que atuam em defesa dos latifundiários e todas as provas apontam para esses grupos.

No dia 24 de maio, 10 trabalhadores sem-terra foram brutalmente assassinados na fazenda Santa Lúcia, no município de Pau-d’Arco, sudeste do Pará. Os assassinos foram 24 policiais militares e policiais civis, que planejaram cuidadosamente a ação, inclusive inserindo provas na cena do massacre, como armas, para dar a entender que houve resistência dos sem-terra.

No dia 30 de abril pelo menos 13 indígenas foram feridos, dois tiveram as mãos decepadas e cinco foram baleados após uma ação de pistoleiros contra os indígenas da etnia Gamela no Maranhão. A ação ocorreu com o apoio da policia que dias antes foi até a aldeia e desarmaram totalmente os indígenas, inclusive facões e flechas, e no dia do atentado ficou observando a ação dos pistoleiros e nenhum pistoleiro foi preso.

No caso dos quilombolas, foram 10 assassinatos em diversas áreas de conflitos fundiários, um número 150% maior que no ano de 2016.

Realizando um breve levantamento de assassinatos de trabalhadores sem-terra pelo país, os números já passam de 60 e tende a ser muito maior devido a maioria dos casos não vir a público e nem sequer ser registrado como crime decorrente de conflitos por terra.

Toda essa violência tem uma motivação: o golpe de estado. Foi o golpe realizado em 2016 que permitiu essa ofensiva do latifúndio e a atuação conjunta e aberta do judiciário, latifundiários, policiais e governos para atacar duramente a luta pela terra.

A retirada de direitos, arbitrariedades do judiciário e atuação aberta da policia e dos latifundiários estão impondo uma verdadeira guerra civil contra os trabalhadores sem-terra e comunidades tradicionais.
Rascunho automático 67

Isso foi em pouco mais de um ano de golpe, que se não for derrotado tende a se agravar ainda mais. É preciso se unificar em torno da luta contra o golpe e derrotar os golpistas para reverter essa situação e avançar na reforma agrária.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar