Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Terça, 10 Abril 2018 16:28 Última modificação em Sexta, 04 Mai 2018 22:04

Sérgio Moro e o lixo da história

Avalie este item
(4 votos)
País: Brasil / Resenhas / Fonte: Sustentabilidade e Democracia

[Sandro Ari Andrade de Miranda*] O título do artigo é aparentemente forte, mas não é. É uma descrição própria e clara do papel que está designado ao juiz da 13ª Vara Federal do Paraná nos livros da história. Intelectual medíocre, sem nenhum trabalho de relevância que possa ser aproveitado pelo direito, o nobre magistrado ocupa um papel comum a muitos juristas de segundo escalão na história internacional: o de executor de violações e direitos fundamentais contra cidadãos e cidadãs e contra figuras políticas, estas sim, importantes.

Moro está longe de ser um super-herói. O seu vínculo com a mídia é de curta duração e vai terminar quando este conseguir sepultar, em definitivo, verdadeiros escândalos de corrupção como o das constas CC5 (Banestado), esquema de lavagem de dinheiro que alimentou as campanhas do PSDB, e o da Monsack Fonseca (do Panamá Papers), lavanderia que gerenciava o esquema de lavagem de dinheiro que tem entre os seus beneficiários dirigentes da FIFA e das Organizações Globo. Ou seja, como um reles subalterno de um golpe de estado, o juiz do Paraná foi um tarefeiro perfeito.

Na prática, viverá para a história como Roland Freisler, o juiz nazista que mandou milhares de pessoas para campos de concentração e para a câmara de gás durante o nazismo, enquanto a SS roubava descaradamente o dinheiro das vítimas e mandava para contas na Suíça, ou Quatus de Wet, juiz que presidiu o Tribunal de Rivônia e condenou toda a resistência da CNA contra o apartheid, dentre eles Nelson Mandela e Walter Sisulu. Em síntese, Moro é um bandido histórico comum, como muitos dos operadores das páginas mais tristes da história.

A prisão de Lula sem prova, e vou mais longe, sem enquadramento penal válido, é apenas parte de um circo que visa esconder os verdadeiros esquemas de corrupção que destroem o país, seus artífices e manter o poder concentrado na mão da extrema direita golpista. Lula é inocente, assim como Mandela, Sisulu, Gandhi, e todas as vítimas de Freisler. É preciso espancar a constituição e os livros de direito para sustentar tamanha perseguição política.

As armas utilizada por Moro, a tortura (pois prisão cautelar para forçar obtenção de provas é sim tortura) e acordos de colaboração premiada são presentes para os corruptos. Se analisarmos todos os acordos de colaboração premiada firmados pela 13ª Vara Federal do Paraná vamos notar que os mesmas sempre beneficiaram os verdadeiros corruptos e seus operadores. A Lava Jato não conseguiu recuperar 1/10 do valor desviado por pessoas como Paulo Roberto da Costa, Pedro Barusco ou o homem das CC5, Alberto Yousseff. Hoje todos vivem tranquilamente em condomínios de luxo e usufruem do benefício de anos de saques no patrimônio público. O esquema de Yousseff ganhou peso com o PSDB no poder e Paulo da Costa é cria da ditadura, e responsável por administrar desvios desde aquela época. Hoje são todos ricos e gozam plenamente desta riqueza em casa.

A tentativa de prender Lula nunca teve por objetivo acabar com a corrupção, mas pelo contrário, escondê-la. Aliás, se fizermos um apanhado jurídico-normativo vamos notar que a lavanderia pela CC-5 foi extinta em 2013, por ato da então Presidenta Dilma Rousseff (PT), acabando com um esquema que beneficiava banqueiros e lavadores desde 1962. Se as pessoas se derem ao trabalhar de estudar ao contrário de ler o noticiário, vão entender porque Lula é perseguido e Dilma foi afastada. Com eles distantes, a direita golpista e os corruptos ganham plena liberdade para manter os seus esquemas em plena atividade, e ainda vendem a falsa preocupação com a ética.

* Advogado no Rio Grande do Sul, especialista em política, mestre em ciências sociais pela Universidade Federal de Pelotas. Tem atuação no estudo, análise e elaboração de políticas públicas, no planejamento administrativo, nas áreas do direito ambiental e do urbanístico, e como cronista.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar