Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Domingo, 08 Mai 2016 03:15 Última modificação em Terça, 10 Mai 2016 17:38

Descobrir-se Negro, o rompimento com o racismo institucional

Avalie este item
(0 votos)
País: Brasil / Antifascismo e anti-racismo, Batalha de ideias / Fonte: O Amigo do Povo

Descobrir-se negro(a) é uma das melhores coisas da vida. Historicamente, a população negra brasileira foi forçada desde o processo de colonização a renegar a sua cultura, seus traços físicos e sua religião. Os seres humanos que aqui desembarcaram, como escravos, como mercadoria, no processo de desumanização, de coisificação, passaram por um árduo processo de aculturação forçada, e o primeiro passo veio com a aceitação a religião do conquistador europeu.

Os reflexos dos tempos escravagistas ainda persiste na população brasileira atual e, as maiores vítimas desse processo são as mulheres negras, forçadas a seguir um “padrão de beleza” eurocêntrico, que em nada se assemelha ao seu biotipo. A menina negra é forçada desde criança a manter os seus cabelos amarrados, a ter vergonha de seus lábios grossos, de seu nariz e da sua pele escura. Tente encontrar produtos infantis femininos com temática afro e veja que, mesmo nos dias atuais, ainda é difícil achar cadernos, estojos e demais utensílios escolares.

Quando a menina e o menino se “descobrem negros”, geralmente esse processo vem acompanhado de manifestações racistas, que os colocam em posição inferior e as mesmas ocorrem em situações de conflito, a clássica luta de classes de Marx. O descobrir-se, mesmo surgindo em momento de extrema dor, física e psicológica, aos poucos, gera um sentimento de auto-afirmação, de valorização e busca pelas raízes perdidas (já que todos os documentos e demais registros históricos sobre as origens e procedências da 

O Brasil do século XXI vem passando por uma mudança político-social e, se em anos anteriores a população negra era cerceada de sua cultura, suas músicas eram marginalizadas (como o samba nos anos 10-20 e o rap nos anos 80-90), a partir dos anos 2000, principalmente através da lei 10639/03 (que obriga o ensino de cultura e história africana em salas de aula), que disponibiliza e reconhece a importância da população africana para a formação do povo brasileiro, algo negligenciado por décadas nas escolas brasileiras. O aluno de hoje tem acesso a cultura africana e o mesmo consegue compreender que, muitos esteriótipos eurocêntricos ainda hoje impostos pela grande mídia, não condizem com o perfil da população brasileira, onde conforme citado pelo último censo oficial (2012), negros e “pardos” (designação racista utilizada para esconder a africanidade da população, retirando a identidade de boa parte dos brasileiros) compõem o grupo majoritário, sendo 53% do povo. Exatamente pelo acesso a história africana e ao reconhecimento cultural que hoje, cada vez mais jovens estão assumindo a sua “africanidade”, para desespero dos adeptos da farsa denominada “democracia racial”, tão propagada pelos detentores dos veículos de mídia.população africana estão perdidos ou foram destruídos) a começar pela valorização dos cabelos afro, das músicas com raiz africanas etc. Geralmente este “descobrir-se” surge no período mais conturbado da vida humana, na adolescência, onde o jovem busca a todo momento inserir-se em um grupo social, ser aceito em um ambiente externo, fora da proteção familiar.

A cada cabelo black, a cada cabelo crespo solto, temos um grito de liberdade, que deve ser ouvido e que deve ser respeitado.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar