Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 29 Mai 2017 00:54 Última modificação em Quinta, 01 Junho 2017 11:38

Guterres com Trump ao lado de Israel

Avalie este item
(1 Voto)
/ Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Jornal Mudar de Vida

[Manuel Raposo] Dias depois da proeza de censurar a denúncia do apartheid israelita contra a população palestina (ver texto “Gueterres ajoelhado”, aqui publicado em 2 de Abril), o secretário-geral da ONU António Guterres, discursando a 23 de Abril no Congresso Mundial Judaico, em Nova Iorque, fez uma verdadeira profissão de fé na defesa de Israel.

Quando milhares de prisioneiros palestinos estão em greve de fome, declarou-se “na primeira linha contra o antissemitismo”. Ignorando o desrespeito sistemático de Israel pelas resoluções da ONU, afirmou que Israel deve ser tratado “como qualquer outro” estado. Desprezando a sabotagem israelita à formação de um estado palestino, defendeu “o direito inegável” à existência de Israel. Condenou o “discurso de ódio” antissemita, escondendo o discurso de ódio dos sionistas contra os palestinos. Fugindo de tratar os temas quentes, não disse palavra sobre o recente ataque militar de Israel ao aeroporto de Damasco nem sobre as ameaças ao Irão.

Guterres pareceu seguir, ponto por ponto, as directivas de Trump que, num vídeo projectado no congresso, fez do antissemitismo e das vozes que, segundo ele, falam em “destruir Israel” a cortina de fumo atrás da qual sempre passaram as agressões dos EUA no Médio Oriente e, concretamente agora, as agressões à Síria e as ameaças de agressão ao Irão.

O Congresso Mundial Judaico, sediado em Nova Iorque, representa comunidades de 100 países e é uma força poderosa no apoio político e na angariação de financiamento a Israel.

O eng. Guterres fazia bem em prestar atenção ao que, por exemplo, Norman Finkelstein tem dito sobre o chamado conflito israelo-palestino. Finkelstein, cientista político e activista, é um judeu norte-americano proibido de entrar em Israel pelas suas denúncias do colonialismo sionista. O livro que publicou em 2000 sob o título “A indústria do holocausto” mostra como Israel e os sionistas manipulam as violências cometidas sobre os judeus pelos nazis para obterem ganhos políticos e financeiros. O livro tem um subtítulo que fala por si: “Reflexões sobre a exploração do sofrimento dos judeus”.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar