Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 14 Setembro 2017 12:21 Última modificação em Segunda, 25 Setembro 2017 12:01

A geopolítica da crise de refugiados mussulmanos de Myanmar

Avalie este item
(0 votos)
País: Birmânia / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Blog de Nazanin Armanian

[Nazanin Armanian, traduçom do Diário Liberdade] Dezenas de milhares dos vizinhos de Rohinya, de religiom mussulmana, estám a fugir despavoridos dos seus lares por causa da violência extrema exercida pelo exército e os paramilitares budistas.

Milhares de pessoas ficárom na fronteira do Bangladesh, que se nega a acolhê-los porque “há terroristas infiltrados entre eles”. Trata-se de umha nova fórmula do castigo coletivo a um povo já castigado.

A imprensa de massas ocidental e a dos países mussulmanos acusa os budistas de limpeza étnica e assinala Suu Kei, ministra dos Negócios Estrangeiros, pola passividade e por ser cúmplice dos crimes cometidos polos “budistas”, que nom os generais que continuam a deter o verdadeiro poder em Myanmar. Que interesse terám para apresentar este conflito como étnico-religioso? Porque destacam o drama destas pessoas enquanto silenciam o de 17 milhons de iemenitas ou dos sete milhons de sudaneses que suportam, há vários anos, a soma de terror, violaçom, tortura, fame, sede, desespero e outras atrocidades perante a total passividade da comunidade internacional?

Por sua vez, o governo de Myanmar e os meios pró-chineses minimizam a importáncia da crise e culpam os “terroristas bengalis”, ou o que é o mesmo, a Organizaçom Arakan Rohingya Salvation Army (ARSA) de ter provocado a tensom, assaltando a 25 de agosto várias esquadras policiais e postos militares e assassinar a vários agentes.

No entanto, entre as causas do conflito “interno” de um país que compartilha fronteira com a China nom podia faltar o determinante fator geopolítico.

Quem som os rohingyás?

Myanmar é um país de 52 milhons de habitantes, dos quais 1,1 milhons som rohingyás, que levam o nome do Estado em que habitam. som descendentes dos trabalhadores bengalis que chegàrom à Birmánia a partir do século XV, e hoje som um das dezenas de grupos étnico-religiosos (que falam cerca de 100 idiomas e dialetos), que vivem sob o domínio de umha maioria de budistas da etnia Bamar, e possivelmente de origem mongol. Apesar dos imensos recursos naturais, Myanmar ocupa o posto 150 dos 187 países no Índice de Desenvolvimento Humano: só 26% daa sua populaçom tem acesso à eletriidade.

Salvo o curto período do governo do presidente Ne Win (1962 e 1988), que dirigiu a República Socialista da Uniom de Birmania, os rohingyás e outras minorias do país como Karen, Kachin (cristá) ou Shan, fôrom perseguidos e condenados a umha extrema pobreza. Os budistas supremacistas destruírom mesquitas, mas também igrejas e templos hinduístas dos imigrantes índianos.

birmDesde o golpe de estado militar do 1988, o exército converteu-se em dono direto dos recursos do país: as seus férteis terras, água, petróleo e mineraçom, e a 30 de março de 2012, depois de anular a Lei da Terra de 1963 -aprovada polo governo socialista que protegia os pequenos proprietários e os direitos dos cultivadores da terra-, abrírom o mercado às corporaçons estrangeiras para arruinar o país. Esta dinámica intensifica ainda mais o processo da expulsom dos camponeses (na sua maioria budistas) das suas terras polos comandantes militares regionais e os seus protegidos paramilitares. Os militares também controlam o negócio de ópio. De facto, hoje Myanmar é o segundo produtor mundial de ópio após o Afeganistám, a partir da sua ocupaçom pola NATO em 2002, se converter no primeiro. Também em Myanmar (e Laos e Tailándia, o chamado “Triángulo de Ouro” do ópio e da heroína) EUA utilizou a droga para financiar o Kuomintang, um partido fascista que luitava contra as forças de Mao Zedong.

A esta involuçom acrescentou-se a suspensom da lei que atribuía cidadania aos mussulmanos rohingyás, o qual ateou o fogo da batalha entre os despejados: os budistas empobrecidos tivérom via livre para atacarem e expulsarem das suas casas e terras os mussulmanos pobres.

No mesmo ano 2012, aparece a insurgência islamista ARSA, integrada por várias centenas dos 500.000 rohingyás emigrados no Paquistám, e treinados como jihadistas polo regime do general Ziaul Haq e a CIA para luitar contra o governo socialista do Afeganistám. A ausência de umha informaçom objetiva e imparcial impossibilita conhecer o papel real desta organizaçom na atual crise.

O braço de ferro entre a China e os EUA

O maior país do sueste asiático e com imensas terras cultiváveis e água, Myanmar encontra-se entre dous dos estados mais povoados do mundo, China e Índia, necessitados de recursos naturais, embora o verdadeiro rival da China neste cenário sejam os EUA.

Para a China, Myanmar, com o qual tem 2.204 quilómetros de fronteira, é como o México para os EUA. Pequim, até 2015 –data da instalaçom do governo de Suu Kyi, patrocinado polos EUA–, além de manter umha ampla relaçom com o regime militar birmano, também cuidou do Exército do Estado de Wa Unido (UWSA), a organizaçom armada étnica mais forte de Myanmar, e um dos grupos nascidos da desintegraçom do Partido Comunista da Birmánia em 1989. Que a China patrocinasse um grupo para fazer avançar a sua agenda num país (fazer de “proxy”) é novo na política exterior chinesa. Paralelamente, o governo do presidente Xi, com o fim de aumentar a sua influência política no país e pôr fim à longa guerra civil birmana, organizou encontros entre o governo de Suu Kyi e os grupos rebeldes. Quanto às relaçons comerciais, a China é o primeiro sócio de Myanmar, e investiu uns mil milhons de dólares nas infraestruturas do país vizinho. Em abril passado, inaugurárom uns oleodutos que atravessam Myanmar e alcança o sudoeste da China, aumentando a segurança energética da China. “Curiosamente”, o Estado Rohingya é onde começam estes encanamentos na Baía de Bengala.

A China nom votou o comunicado de 5 de setembro da ONU, proposto polos EUA, que condenava a “limpeza étnica” dos mussulmanos rohingyás, e agora teme que esta “sensibilidade” seja o início de um plano para sabotar os oleodutos chineses, e impedir a construçom do porto Kyaukpyu que fai parte do projeto da Nova Rota da Seda (“One Belt, One Road”). Este porto, ao igual que o porto Gwadar paquistanês alugado pola China, é vital para o gigante asiático, que hoje realiza grande parte do seu transporte comercial polo congestionado estreito de Malaca, e irá permitir-lhe importar o hidrocarboneto do Golfo Pérsico a da China. Que os corredores marítimos vitais passam através de águas disputadas ou bloqueados, obriga a Pequim a conseguir um acesso direto ao Oceano Índico, e só pode o fazer através do Paquistám e Myanmar. Washington teme que estes portos sirvam também de base naval para o seu grande rival.

Daí que Barak Obama, que planeou rodear a China com bases militares, nom só levou a sua protegida Suu Kyi ao poder, como foi o primeiro presidente dos EUA a visitar o país, em 2012, e voltou de novo em 2014 para o atrair à sua órbita com acordos comerciais e militares.

Em março do 2017, um navio da marinha dos EUA, o Comando Militar de Navegaçom Marítima, visitou um porto de Myanmar pola primeira pola primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

A mudança de rumo na política exterior dos EUA com a Administraçom Trump e a sua obsessom com o Irám permitiu aos chineses respirarem com algumha tranquilidade, embora esta “crise de refugiados mussulmanos” poda se converter no seu pesadelo. Os EUA preferirám um Myanmar destruído e afundado na guerra civil a que se converta numha ponte para a expansom da influência chinesa. Entretanto, o regime militar birmano desvia a atençom das luita de classes para um conflito étnico-religioso entre marginalizados budistas e mussulmanos.

Antes que Myanmar se desfaga entre caos e desastre, há que forçar o exército a se retirar do estado de rohingyás, pôr fim à matança desse povo e garantir os seus direitos federais.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar