Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 12 Março 2018 20:03 Última modificação em Sexta, 23 Março 2018 02:55

O feminismo “branco” criticado polo obscurantismo feminizado Destaque

Avalie este item
(3 votos)
/ Mulher e LGBT / Fonte: Diário Liberdade

[Nazanin Armanian, traduçom do Diário Liberdade] O último para enfraquecer e desacreditar o movimento universal de libertaçom da mulher foi acusá-lo de representar o “feminismo branco-ocidental-cristao”, de exercer superioridade racial e de classe sobre as mulheres doutros países, raças e religions, e elaborar receitas equivocadas para elas, menosprezando a sua vontade de se sentirem felizes como elas desejam.

A ofensiva provém das mulheres fundamentalistas islámicas –entre elas numerosas conversas–, que depois do fracasso das suas propostas nos países “mussulmanos” , aproveitam-se do profundo desconhecimento de boa parte dos intelectuais e ativistas europeus a respeito da história do movimento feminista de Oriente Próximo, para venderem a sua mercadoria caducada, impedindo o progresso.

Estratégias de conduzir para a confusom

Na Europa, estas acusaçons carecem de sentido: o feminismo espanhol, por exemplo, incluiu nas suas demandas umha ampla bateria de direitos (de educaçom, saúde, trabalho, etc.) para as imigrantes, que se encontram numha situaçom de especial vulnerabilidade. Direitos que as mulheres fundamentalistas nom pedem nem para as mulheres dos países de Oriente Próximo dominados pola direita religiosa. No seu discurso, nom passa de defender o véu e justificar a poliginia, nom cabem os problemas reais das mulheres trabalhadoras imigrantes, tais como: “os papéis”, um salário digno, etc.

Identificar, de forma intencionada, as conquistas das mulheres trabalhadoras dos países ocidentais (polas quais milhares fôrom perseguidas, torturadas e assassinadas), com o colonialismo dos seus mandatários. Assi, conseguírom gerar confusom e sentimentos de culpa num setor do feminismo europeu, ocultando um grande detalhe: que o colonialismo nom seria possível sem a cooperaçom necessária dos senhores feudais e burgueses locais, na sua maioria, além do mais, homens muito devotos.

Ignorar a evoluçom do movimento feminista, cuja teoria ultrapassou largamente os limites impostos à sua luita pola eliminaçom de todas formas de exploraçom e opressom contra a mulher, de qualquer classe, raça, etnia e credo. No seu longo e durísimo trajeto, o feminismo foi acrescentando à sua agenda a luita contra o patriarcado, o capitalismo, o imperialismo, os fundamentalismos e as teocracias ou a mudança climática –que feminiza ainda mais a pobreza, e inclusive aqueles abusos que se cometem em nome das “singularidades religiosas e culturais”: estamos diante do Feminismo Interseccional.

O uso depreciativo do termo reducionista "feminismo branco" para referir o conjunto do movimento feminista europeu atual, que é representante das conquistas das mulheres de esquerda no Ocidente capitalista e no Oriente socialista. O "feminismo branco" que nasceu no século XIX nos EUA e Gram-Bretanha, foi um grande passo na luita das mulheres nesses países, apesar de desatenderem as demandas das mulheres negras e indianas, que o corrigírom com o seu “feminismo negro”.

Que esta capacidade de autocrítica e progresso, nasce justamente do compromisso e da natureza laica do feminismo, baseado na racionalidade e nom na “fé” e textos sagrados inamovíveis. Por isso, quando as sufragistas norte-americana convertem o direito ao voto num dos principais meios para alcançar os direitos da mulher, também incluem o voto das mulheres negras; ou mais adiante, nos anos sessenta, o movimento feminista de Redstockings em Nova Iorque, assinala com o dedo um pormenor de grande importáncia: que a comissom que estudava a reforma da Lei do aborto era composta por 14 homens e umha única mulher, umha freira. Para concluir que “A submissom das mulheres à supremacia masculina é umha adaptaçom consciente à sua falta de poder sob o patriarcado” criticando os mecanismos de “lavagem ao cérebro” a que as instituiçons do Estado capitalista submetem os cidadaos. O reduzido custo da exploraçom das mulheres guarda umha relaçom direta com a sua falta de consciência e de organizaçom em frente aos poderes trapaceiros e manipuladores.

Também o Islám, o cristianismo e o judaísmo fôrom colonialistas. Durante o seu domínio sobre os povos conquistados, e depois de décadas e séculos de guerra, obrigavam-nos a trocar de religiom, de vestes, de nomes, de tradiçons e inclusive do alfabeto e língua, submetendo sobretodo as suas mulheres. Ainda hoje, as elites dessas religions continuam a tentar colonizar as terras estratégicas e ricas em recursos de África, Ásia e América Latina.

Na sua focagem tribal, os problemas das mulheres “mussulmanas” carecem de conexom com o resto das mulheres, e as soluçons também. Como se poderiam melhorar as condiçons laborais das trabalhadoras bengalis ou galegas de Zara sendo o seu dono o espanhol Amancio Ortega? As mulheres “anti feminismo branco” nom se veem nas sedes dos sindicatos, defendendo a igualdade de salários ou um ambiente laboral livre de assédio sexual. O fundamentalismo opom-se à justiça social, às liberdades individuais e políticas, aos sindicatos e partidos de esquerda, por serem inventos dos infiéis ocidentais brancos. Cousa diferente é legitimar a compra de armas aos mesmísimos EUA ou Israel, os inimigos proclamados.

Riscar de “colonialismo branco” o movimento feminista significa dizer que o marxismo é colonial por ser o seu fundador um homem alemám, branco e ainda por cima judeu. Mesmo assi, os cidadaos –mussulmanos e judeus– do Iémen do Sul desfrutárom entre 1964 e 1991 de um Estado de bem-estar e de umha estabilidade inaudita para a sua milenar história; o mesmo que os cidadaos dos países “mussulmanos” da Ásia Central, ou a católica Polónia, cujas mulheres hoje sob um regime da extrema-direita católica sentem falta dos direitos que tinham durante a era socialista, apesar das suas deficiências.

Ser diferentes significa ser superiores

A escritora Martha Zein denuncia a posiçom crítica destas mulheres, que “nem sequer defendem as mulheres empobrecidas pola sua condiçom de classe e género, nem questionam o capitalismo quando está disfarçado da religiom. O feminismo negro uniu a raça, o género e a classe para se impor e fijo-o na rua, nom nos cómodos sofás”.

De algum modo, a posiçom das tais mulheres pertencentes às classes média e alta, assemelha-se aos defensores do ventre de aluguer: Apoiam-no aqueles homens e mulheres que nom alugariam o seu. A principal preocupaçom das mulheres de direita religiosa é salvarem as fêmeas do seu grupo da “corrupçom moral” que pode gerar o discurso subversivo e contagioso das mulheres ativistas progressistas.

Há uns 40 anos, o intelectual palestiniano Edward Said tentava convencer o mundo ocidental que os cidadaos do “mundo islámico” eram seres humanos normais, que nom inferiores, com as mesmas necessidades e aspiraçons que outros seres humanos. Se levantasse a cabeça veria que também amplos setores de alguns países de Oriente Próximo se acham diferentes, mas muito superiorem ao resto dos mortais, pola moral e o credo que representa. A crença de ser eleito por Deus impossibilita o progresso por desprezar a solidariedade e empatia com outros seres humanos. O discurso da singularidade “cultural/religiosa” está ao serviço da divisom do movimento feminista, e despolitiza a análise sobre as raízes dos privilégios de uns à custa doutras, e também as propostas para um mundo justo.

É óbvio que a prioridade das feministas de Ciudad Juárez ou Cabul nom é a mesma que as das suecas ou das japonesas. O feminismo sem adjetivos, que é umha doutrina geral que se tem de adaptar às necessidades da cada povo e em cada momento histórico, está a utilizar três ferramentas principais para cumprir com a sua funçom:

1.A Maquinaria Política: instituiçons governamentais e internacionais como a ONU; bem como agrupamentos que organizam as mulheres e homens para os seus objetivos.

2. As Redes sociais de Apoio sobre um tema em concreto, como a luita contra a violência de género, a lapidaçom, os crimes de honra, etc.

3. A Criaçom de Linguagem, com o fim de incrementar as consciências, como os termos “femicídio”, “micromachismos”, ou “violaçom dentro do casal”.

O assalto do neoliberalismo, o imperialismo e o obscurantismo religioso contra os direitos da mulher é um fenómeno global e os fundamentalismos feminizados nom som precisamente um aliado nesta batalha. Ao contrário. Fátima Mernissi ou Shirin Ebadi, porta-vozes do islamismo burguês, só tentárom obter algumha concessom do sistema, nem sequer reformá-lo, nem muito menos desmantelá-lo, enquanto centenas de feministas fôrom encarceradas e assassinadas por defenderem umha vida digna para todos: os homens “normais” também nom poderám ser felizes vivendo ao pé de umha mulher humilhada e desgraçada.

(www.nazanin.es 2 de maio 2017)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar