Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 03 Fevereiro 2017 13:14

Nada nos prepara para a morte

Avalie este item
(0 votos)
Valério Arcary

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Diante da morte somos convidados a pensar sobre a vida e seus sentidos.


A notícia da morte cerebral de Dona Marisa Letícia comoveu a esquerda brasileira. Digo a esquerda, porque o mal estar não ficou restrito aos petistas. Comoveu porque foram impressionantes as reações iradas de ódio a Lula nas redes sociais. Revelou-se o grau de politização doentia de parcelas massivas da base social que foi às ruas pelo impeachment de Dilma Rousseff, e oferece apoio ao governo Temer.

A morte nos provoca pensar sobre o tempo.
Acontece que o tempo é vivido como uma experiência subjetiva.

As grandes concepções da história viram-se obrigadas e refletir sobre o tempo e suas medidas. Sempre foi assim, mesmo antes da história se constituir como ciência: as teleologias religiosas (ou laicas) foram, também, ciosas de estabelecer os seus critérios. Afinal, o tempo é a medida da vida e esta, sendo irredutível, oferece sentido à condição humana. O eterno retorno oriental, com a alternância de punição ou recompensa; o tempo de provação e espera do judaico-cristianismo, como antessala do combate final entre o bem e o mal, o Armagedon; o tempo hegeliano do progresso, como aventura da realização do Espírito.

O tempo não para. Mas a compreensão do tempo, também, muda. O elogio do tempo presente como a única medida da experiência humana, ou a renúncia ao amanhã, o carpe diem, é uma escolha moral. O sacrifício do presente em troca de uma recompensa no futuro (seja ela moral, a salvação, ou material, o enriquecimento) é, também, uma escolha moral. Já o marxismo abraça uma moral que é outra: a indivisibilidade dos fins e dos meios. Os meios devem estar à altura dos fins. Os marxistas atribuem, também, qualidades ao tempo: em uma palavra, como igualitaristas, antes de mais nada, temos pressa, porque sabemos que, na escala do atraso e lentidão das longas durações da transformação histórica, todas as revoluções ocorreram, em alguma maneira, atrasadas, portanto, demasiado tarde, tão grande a dívida de injustiça a ser resgatada.

Mesmo quando as revoluções foram, politicamente, prematuras.
Por isso, a esperança é o sentimento político mais bonito.

Para ilustrar, uma fábula: ensina uma sabedoria antiga que Zeus enviou Pandora para castigar Prometeu, que tinha roubado o fogo para oferecer a vida aos seres humanos. Tendo, por isso, contrariado os desígnios dos Deuses, foi condenado a sofrer todas as maldições mais atrozes, até que Zeus, tomado de piedade, decidiu fechar a caixa de Pandora, quando no seu interior só restava a última, porém a mais terrível das maldições. A Humanidade foi assim poupada do pior dos males, o mais invisível e o mais perturbador, a perda da esperança.

Porque há coisas que não se podem perder.
Mesmo diante da maior de todas as perdas.
Nada nos prepara para a morte.

Fonte: Esquerda Online.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar