Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 24 Março 2017 13:55

Jeroen Dijsselbloem é um idiota

Avalie este item
(1 Voto)
Valério Arcary

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

"Não se pode gastar o dinheiro todo em copos e mulheres e depois pedir ajuda".


Esta incrível provocação, referindo-se aos países do sul da Europa afetados pela crise da dívida pública da Zona Euro foi feita pelo holandês Jeroen Dijsselbloem (isso mesmo, o nome deste infeliz é impronunciável) chefe dos ministros das Finanças da Zona Euro e do Partido do Trabalho, a socialdemocracia. Ela me fez lembrar que em Portugal, nos idos de quarenta anos atrás, quando alguém começava a namorar com alguém se dizia que "andavam juntos". Sempre gostei muito da expressão porque é gentil. A gíria para namorar era compartilhar um caminho comum. Mais do que sair juntos. Havia alguma delicadeza, respeito e, até algo de romantismo, portanto, estávamos próximos do poético. Não sei dizer se ainda é usada, mas é bem possível que sim. Esta imagem simples da vida cotidiana é só um detalhe que nos revela algo do que é a riqueza da cultura popular portuguesa.

A expressão me veio à cabeça, porque este primitivo, um bruto, também, energúmeno, que chegou ao cargo de presidente do Eurogrupo, poucos dias depois do seu partido ter passado por uma derrota apocalíptica nas eleições gerais, numa audição no Parlamento Europeu recusou pedir desculpa pelas declarações.

Não conheço estudos comparativos sobre o consumo de bebidas alcoólicas entre os povos do sul e do norte da Europa, menos ainda sobre o mercado da prostituição, mas duvido muito que haja algo mais do que veneno ideológico nesta declaração.

Os trabalhadores e a maioria das camadas médias remediadas dos povos do sul da Europa, sejam portugueses, galegos, andaluzes, catalães, castelhanos, bascos, italianos, e gregos, e todos os outros povos balcânicos merecem ser respeitados: estudam menos, trabalham tanto ou até mais, ganham menos e morrem mais cedo que as classes proprietárias e médias abastadas do norte europeu.

Os vagabundos, imprestáveis e inúteis, que os há, foram, democraticamente, distribuídos entre todas as latitudes e longitudes do planeta por igual. Podem ser encontrados, por igual, entre os torcedores do Ajax de Amsterdam ou do Feyenoord de Roterdam, do Manchester United ou do Chelsea. Mas como sou internacionalista, admito que, também, os temos por aqui.

Gosto de pensar que sou prudente com as palavras, especialmente, as escritas. Mas este episódio é daqueles que merecem adjetivos fortes. Jeroen Dijsselbloem é um idiota.

É, também um preconceituoso, um ignorante, um xenófobo, um racista, um reacionário perigoso.

Já deu para perceber que fiquei ofendido.

Quem me conhece sabe que nasci no Rio de Janeiro, e moro em São Paulo desde 1978, filho de pai catarinense e mãe carioca, avôs mineiro e gaúcho, um bisavô italiano e outro maranhense, só tenho ancestrais portugueses longínquos, mas fui para Lisboa em 1966 aos nove anos, porque minha mãe trabalhava para o Itamaraty, Por lá vivi entre os nove e os vinte um anos, à exceção de um semestre em que fui para Paris estudar, mas deixei uma parte do meu coração junto ao Tejo. Nasci uma segunda vez durante a revolução dos cravos. Pertenço a várias culturas, e não vejo porque deveria renunciar a qualquer uma delas.

Mas hoje me sinto mais português do que nunca.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar