Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Sexta, 22 Fevereiro 2019 13:35 Última modificação em Terça, 05 Março 2019 11:59

Em Portugal, pessoal do Pingo Doce diz «basta»

Avalie este item
(1 Voto)
País: Portugal / Laboral/Economia / Fonte: Abril Abril

Os trabalhadores da loja Pingo Doce de Gueifães, na Maia, realizaram uma acção de protesto esta quinta-feira para exigir o fim dos abusos e da repressão, bem como da chantagem patronal na contratação colectiva.

A acção de denúncia desta manhã, inserida na quinzena de luta que o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN) promove por todo o País até 28 de Fevereiro, realizou-se à porta da loja Pingo Doce sediada na localidade de Gueifães, no concelho da Maia.

Em comunicado, o CESP explica que a quinzena de luta tem como objectivo denunciar «a posição intransigente das empresas» da grande distribuição, entre as quais o Pingo Doce, que estão há mais de dois anos a bloquear as negociações do contrato colectivo de trabalho (CCT) do sector, exigindo «a retirada de direitos em troca correcção de injustiças e do aumento dos salários».

Os trabalhadores reivindicam o aumento geral dos salários, num mínimo de 40 euros, de forma a repor o poder de compra perdido desde 2010, o fim da tabela B, que prevê menos 40 euros de salário em todos os distritos, excepto Lisboa, Porto e Setúbal, e a progressão automática dos operadores de armazém até ao nível de especializado.

Apesar de as empresas da grande distribuição, como o Pingo Doce, obterem todos os anos lucros na ordem dos milhões de euros, os salários pagos são muito baixos e as condições de trabalho péssimas. O CESP afirma que, a troco de aumentos de 11 cêntimos ao dia, as empresas exigem a redução do valor pago pelas horas extraordinárias e a aceitação do banco de horas.

Sobre as questões concretas do local de trabalho, os funcionários do Pingo Doce denunciam o mau «comportamento da gerente desta loja» e exigem que sejam «tratados com dignidade, sem gritos nem arrogância». Além disso, exigem a retirada da câmara de vigilância na área social e o fim da «alteração sistemática dos horários de trabalho», passando estes para uma antecedência de 30 dias.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar