Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 27 Março 2017 21:57

Comissão da Justiça e da Verdade apresenta relatório final sobre crimes de Estado entre 1958-1998 na Venezuela

Avalie este item
(1 Voto)
País: Venezuela / Repressom e direitos humanos / Fonte: AVN

A promotora-geral da República, Luisa Ortega Díaz, apresentou nesta sexta-feira o relatório final da Comissão da Justiça e da Verdade que mostra a violação sistemática dos Direitos Humanos e delitos de lesa humanidade ocorridos durante o chamado período "puntofijista" (1958 – 1998).

"A Comissão da Justiça e da Verdade surgiu como resposta às violações dos Direitos Humanos que cometeu o Estado contra as pessoas que assumiram a defesa dos direitos do povo venezuelano após o 23 de janeiro de 1958. Durante essa época, 1958 – 1998, o assassinato, a tortura e o desaparecimento eram parte de uma política de Estado com a qual se pretendeu derrotar as lutas sociais do povo", disse.

A promotora também informou que esta política de perseguição em todo o país criou teatros de operações que funcionavam como centros de tortura e assassinato de camponeses, operários, mulheres e líderes políticos que lutavam por seus direitos.

A comissão obteve os dados através de um longo processo de investigação em arquivos militares, policiais e outros organismos.

Luisa Ortega Díaz explicou que estes dados foram sistematizados, analisados, digitalizados e submetidos a uma análise estatística e pediu divulgar os arquivos para que estejam ao alcance de todos os venezuelanos.

"Garantir o direito à verdade implicou uma exaustiva investigação a partir de diversas aproximações, uma análise sociológica que estudou a realidade daquela época (...) foi possível entrevistar as vítimas sobreviventes e testemunhas destes fatos", acrescentou.

A Comissão da Justiça e da Verdade foi instalada em 27 de fevereiro de 2013 para esclarecer a verdade sobre os crimes de Estado cometidos durante o período, com um total de 10.071 casos. Deste total, 1.412 foram assassinatos, 8.200 prisões arbitrárias e 459 desaparecimentos forçados.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar