Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 29 Março 2018 18:49 Última modificação em Segunda, 02 Abril 2018 14:45

Venezuela exige suspensão de bloqueio e respeito à soberania ante falsa matriz de crise humanitária

Avalie este item
(1 Voto)
País: Venezuela / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: AVN

Suspender o bloqueio econômico e financeiro contra o povo venezuelano e respeitar sua soberania é a melhor maneira de ajudar a Venezuela contra o assédio ingerencista e a falsa matriz de opinião de crise humanitária que impuseram os governos dos Estados Unidos, União Europeia e alguns países latino-americanos, por sua férrea vontade de construir o socialismo bolivariano.

"Querem ajudar a Venezuela? Desbloqueiem os fundos que têm ilegalmente retidos para que possamos pagar os alimentos, para que possamos pagar os medicamentos; permitam que na fronteira com Colômbia e Brasil possam passar os alimentos que estamos comprando; tenham medidas mais enérgicas para impedir o contrabando de extração da gasolina, de alimentos, de medicamentos, que saem para a Colômbia, que saem ao Brasil e que saem ao Caribe", destacou o vice-presidente de Comunicação e Cultura, Jorge Rodríguez, em entrevista para a BBC, em Paris, divulgada nesta terça-feira.

Desde que a Venezuela decidiu desligar-se dos interesses dos EUA e seus país cúmplices para marcar um novo rumo em direção à plena soberania, liberdade e independência, a mídia internacional e os blocos hegêmonicos imperiais utilizam a guerra econômica multiforme e a pós-verdade - técnica que cria um clima de opinião falso mas crível, que está baseado em mentiras amplamente divulgadas—, com o objetivo de destruir as reivindicações sociais alcançadas pela população com a Revolução Bolivariana.


A inoculação dessas falsas matrizes de opinião e sua massificação midiática se exemplifica hoje na campaha de guerra suja que argumenta uma suposta "crise humanitária" no país. Rodríguez alerta que a proposta da "ajuda humanitária" é outro pretexto utilizado como argumento para agredir a Venezuela, pois sequer está baseada nas leis internacionais e na diplomacia humanitária.

"A proposta da chamada ajuda humanitária forma parte das tramas dos chamados falsos positivos que tanto agradam a administração dos Estados Unidos e seus aliados europeus cada vez que querem agredir um país. Fácil. Lembrem-se das armas de destruição em massa no Iraque. Isso permitiu a destruição de um país inteiro, o assassinato de milhões de pessoas, e depois, com sua cara bem lavada, disseram: 'Não, nos equivocamos. Não havia armas de destruição em massa", recordou.

Também se referiu às supostas agressões contra barcos norte-americanos no Golfo de Tonkín, que desencadearam a Guerra do Vietnã, que depois se revelou um pretexto dos EUA para invadir o país.

"A diplomacia humanitária, as leis internacionais, sobre direito humanitário se referem a dois casos nada mais de crise humanitária: um, situações de conflito bélico, de guerra, e dois, catástrofes naturais. Essa não é, de modo algum, a situação em que se encontra a Venezuela", explicou Rodríguez.

Ele destacou que o pais, fruto do bloqueio, tem tido problemas severos na distribuição e entrega de medicamentos, sobretudo os que são mais difíceis de conseguir no mercado internacional, uma situação conjuntural que o governo vem resolvendo através de mecanismos de atendimento direto à população.

Rodríguez ressaltou que qualquer proposta para fornecer medicamentos ao país é bem-vinda, sempre e quando se respeite a soberania nacional e a independência da Venezuela. Mas até o momento, isso não ocorreu.

"Nas condições em que se respeitem a soberania da Venezuela, sem dúvida (...) Se realmente querem ajudar, ajudem como ajuda a Venezuela, como temos ajudado tantos países do Caribe, tantos países do continente", disse Rodríguez, acrescentando que o tema até o momento tem sido tratado com "uma hipocrisia supina, tremenda".

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar